Como Assim um Sistema Operacional na "Nuvem" ?

O problema com as metáforas é que às vezes elas atrapalham ao invés de ajudar. "Nuvem" é o termo normalmente associado a Internet, ou mais exatamente ao local onde estão os recursos que estão sendo fornecidos pela Internet, e vem dos tradicionais diagramas de arquitetura de sistema onde o desenho de uma nuvem é utilizado para representar todos os componentes que não interessam ou que não podem ser datalhados no diagrama.  Para entender o que é o Windows Azure no entanto vamos deixar a nuvem de lado por um instante.

Nos últimos dois anos a Microsoft trabalhou para montar um super-computador, formado por centenas de milhares de CPUs operando conjuntamente e conectados a terabytes de memória e petabytes de armazenamento. Esta estrutura toda está fisicamente espalhados por quase uma dezena de datacenters mas opera como uma única e gigantesca máquina, talvez a maior existente no mundo. O Windows Azure é o sistema operacional que roda nesta máquina.

Em termos conceituais o Windows Azure faz as mesmas funções que qualquer outro sistema operacional. Ele gerencia a alocação dos recursos da máquina, intermedia o acesso ao hardware, oferece aos desenvolvedores uma plataforma que permita a eles escrever aplicações para a máquina, gerentia a comunicação entre as aplicações, cuida da interface com o usuário,  etc. A diferença fundamental entre o Windows Azure e os outros Windows é que ele não roda no seu PC e sim no super-computador da Microsoft.

Em termos de segurança o Azure é o responsável por implementar o isolamento entre as aplicações, garantindo que a sua aplicação rodando no Azure vai não vai ser afetada por outras aplicações rodando no super-computador, e também por fornecer a infra-estrutura de autenticação e controle de acesso que permita você controlar quem vai acessar sua aplicação e o quê pode ser acessado. Em próximos posts vamos falar em mais detalhes sobre estes dois temas.