Uma análise do Mês da Juventude na África do Sul


Publicado por: Mteto Nyati, Director Geral – Regiões Emergentes da MEA, Microsoft

O talento e potencial da juventude de África deve vibrar ao rápido ritmo do crescimento do continente. Mas a lacuna de oportunidades e divisão digital ainda impede muitos dos 200 milhões de jovens no continente, com idade entre 15 e 24 anos, de alcançar o seu pleno potencial. Observei como o acesso à tecnologia pode ser a chave para desvendar as possibilidades e ajudar a juventude de África a tornar-se o maior trunfo do continente.

 Durante o Mês da Juventude da África do Sul em Junho, visitei a Escola Secundária de Doasho, no Limpopo rural. Este ano, a escola espera obter pelo menos oito distinções dos seus estudantes do último ano de Ciência Física, com a ajuda do  programa de espaços brancos da TV do Limpopo da Microsoft 4Afrika. Este projecto oferece a cinco escolas banda larga de espaços brancos de alta velocidade de baixo custo. Também proporciona a salas de aula tabletes de 7 polegadas, para ajudar os alunos a colaborar, a terem acesso a material de ensino, preencherem avaliações em linha e entrar em laboratórios virtuais que dão vida às suas lições. Com a ajuda de professores mestres que receberam formação em ensino com tecnologia, estes alunos vão deixar a escola equipados com pensamento crítico e a capacidade de colaborar e melhor resolver problemas – competências do século XXI, que são muito procuradas no mercado de trabalho.

À medida que a economia da África se diversifica de uma economia baseada em mão-de-obra para uma economia baseada em conhecimentos, é imperativo que os jovens possuam as competências necessárias para competir e liderar essa transição. Carreiras que exigem competências nas disciplinas CTEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) são alvo de forte procura e têm um forte potencial de ganho elevado. "Nerds" jovens, por exemplo, que antes eram vistos como estranhos por passar tanto tempo atrás dos seus ecrãs de computador, são agora as crianças populares na cidade. Os problemas da África são um terreno fértil para os inovadores ajudarem a resolvê-los usando tecnologia e ganhar dinheiro ao mesmo tempo.

É por isso que, no espírito do Mês da Juventude, Microsoft e o Centro de Descoberta Sci-Bono se uniram para realizar uma, sessão de trabalho de "Semana de Código" de três dias, para introduzir finalistas escolares e alunos actuais ao mundo de codificação e ajudá-los a descobrir a riqueza de oportunidades que estão disponíveis no sector. Como Anele Masiza, uma programadora da Fábrica de Aplicativos da Microsoft Joanesburgo diz: "A tecnologia oferece-nos esta plataforma. Podemos usá-la para dizer: 'Olhe para a África da maneira como a vemos – a nossa forma de contar". Ela pode mudar vidas ".

Também durante o Mês da Juventude, celebrámos a formatura de 499 estudantes da nossa associação Student2Business (S2B) com o Banco de Desenvolvimento da África do Sul, que pretende capacitar e absorver 3 000 jovens desempregados ao longo dos próximos três anos. Esses jovens não têm falta de talento, mas muitos graduados não têm a experiência de trabalho imediata no conjunto de competências desejadas para garantir empregos. As empresas, por outro lado, enfrentam escassez de competências correctas. Programas como S2B ajudam a fechar esta lacuna, oferecendo um roteiro para o emprego.

A juventude de África está cheia de grandes ideias, mas muitos param na 'fase de ideia", deixando suas ideias vulneráveis ??à exploração. É por isso que, no mês passado, lançámos o Centro de Propriedade Intelectual (PI), em Nairobi da Microsoft 4Afrika que oferece aos inovadores as ferramentas e recursos para protegerem e comercializar as suas ideias. O primeiro passo é registar a sua ideia com uma autoridade local de PI e, em seguida, assegurar prova de propriedade – algo que o Centro ajuda a fazer.

 Na Microsoft, a nossa promessa para ajudar a colmatar as lacunas para a nossa juventude é inabalável – e vai para além do Mês da Juventude. Jovens Africanos são o futuro deste continente e quando ligados à tecnologia, o seu potencial fica muito mais brilhante. Pedimos à nossa juventude que continuem a brilhar, manter uma mente aberta, e acreditar em si mesmos como "solucionadores". Não espere que um problema na sua comunidade seja resolvido por outra pessoa. Pense em fazê-lo por si mesmo, ganhar dinheiro a partir deste e criar um futuro melhor na África.

 

 

Comments (0)

Skip to main content